CONTINUAREI A PESAR O VOSSO COMPORTAMENTO PARA AVALIAR SE MERECEIS SER TRANSPORTADOS NA MINHA BARCA

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

-" Ao entrar no Ano-Novo..."

Ao entrar no Novo Ano lembre-se como a nossa Casa-Terra é bonita...

video



... trate bem a água, o nosso bem mais precioso...

video

e respeite a Natureza. Ela lhe retribuirá...


video



terça-feira, 15 de dezembro de 2009

-" OS MAIORES SALÁRIOS "

Autoria de: Helena Cristina e Raquel Lito

Numa empresa, pagam-se salários de apenas 450 euros e outros que rebentam completamente a escala. A SÁBADO apurou alguns dos vencimentos mensais mais altos pagos em Portugal e comparou-os com outros mais baixos. Apesar de a crise económica ter obrigado a fazer cortes, há números impressionantes.






sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

-"Conquistando os corações se vence a luta "

Deixo aqui o meu modesto contributo para ajudar a desmistificar o conteúdo desse livro de António Lobo Antunes que não li, no intuito de evitar que gerações posteriores retenham uma imagem falsa da actuação das nossas gentes numa Guerra que não poderemos nunca ignorar e esquecer.
Distancio-me, no entanto, de alguma fraseologia precedente, nesta mensagem, quer por parte dela, na minha opinião, ser impertinente para o tema em questão quer pela descontextualização em que se insere.

Um escritor, mesmo ficcionando sobre um tema como este, deverá, a meu ver, ter preocupação de não distorcer realidades históricas, sob pena da sua obra ser ignorada ou menosprezada pelos leitores que viveram essa realidade.

Li e tenho o livro "Os Cus de Judas" de Lobo Antunes, tema todo ele dedicado à sua permanência nas Terras-do-Fim-do-Mundo (Os Cus-de-Judas). Li com satisfação, gostei muito, talvez por se reportar a chãos que já pisei.

Conquistando os Corações Se Vence A Luta - esse era o lema do Batalhão de Caçadores 2872 - o meu Batalhão. Este lema anula qualquer alusão selvática da nossa postura em terras de além-mar.
Fiz parte da Companhia de Caçadores 2506, que teve um único morto (por suicídio, em Teixeira de Sousa) e vários feridos em acidentes, alguns dos quais evacuados para a Metrópole e que não regressaram mais a Angola.
Como o meu Batalhão ficou, logo à chegada a Luanda, às ordens do Quartel-General, como reforço operacional, a minha Companhia, nos intervalos de serviço à Rede que circundava Luanda, fez duas operações no Norte de Angola, mais propriamente no Zenza do Itombe. Deslocámo-nos depois para o Kuando-Kubango (as chamadas Terras-do-Fim-do-Mundo) onde permanecemos durante 10 meses na Coutada de Mucusso a reforçar o Batalhão de Cavalaria 2870, a que o César faz referência no texto anterior.
Lá, as Nossas Tropas sofreram feridos vários e alguns mortos do Grupo Flechas, que actuavam conjuntamente connosco. Vítima de uma Mina Anti-Carro, morreu também um Condutor da Companhia de Transportes, sediada em Serpa Pinto, de seu nome Maia e que era do Montijo, que se deslocou à Coutada integrado numa coluna para apoio logístico com vista a uma operação de grande envergadura que se veio a realizar na área.
Rodámos, depois, para o Leste, mais propriamente para Lucusse, próximo ao Luso, onde terminámos a Comissão.

Dos citados, deixo aqui um abraço ao Cruz, que vive no Porto, ao David Ribeiro, meu colega de profissão e de Banco, e ao Favas Cabelo, ribatejano, que sei que está doente, e que já não vejo há mais de 40 anos.

Autor: Carlos Jorge Mota

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

-" HOMENS DE LETRAS OU HOMENS DE TRETAS ?"

O anterior texto "A escrita mentirosa de António Lobo Antunes" começa a provocar reações e parece que a verdade está a querer vir à superfície.
O texto que se segue, foi me enviado para esclarecimento que eu pretendo seja extensivo a todos os leitores.
O blogue estará aberto a apoios ou contestações que julgarem pertinentes.

« Não devemos levar tão à letra (certos) homens de letra(s) ou treta(s)Tenham ou não sido Nobel.
Depois de ter lido o seu livro "Cartas da guerra", sorri incredulamente por o autor (médico) descrever acções de combate, fazendo-se passar por protagonista, qual operacional e, curioso, parecer ter-me plagiado.
Episódios de guerrilha ali narrados, parecem ter sido retirados do meu diário de guerra, escrito entre Abril de 1968 e Junho de 1971. Aquele livro do ALA teve o condão de me levar, décadas depois, a reler o meu diário. Escrita que continua a ser só do meu conhecimento, do meu foro íntimo e bem guardada.
Passei 26 meses em Angola, como atirador de Cavalaria. Parte desse tempo em sítios, entre outros, como Cuito Cuanavale, Lupire, Mavinga, Serpa Pinto; zonas de guerra idênticas àquela onde viria a estar (Luso / leste de Angola) o Batalhão (1971 a 73) a que terá pertencido o médico A. Lobo Antunes.Todavia, falando desses tempos, dou comigo, constantemente, a relembrar mais as férias, acompanhado de 3 camaradas (João Cruz, David Ribeiro e Marques dos Santos) passadas, no primeiro ano, em Nova Lisboa, Benguela e, sobretudo, Lobito (maravilhosa) e, no segundo ano (com José Cabelo em vez do David), em Lourenço Marques, Namaacha, Inhaca (ilha paradisíaca), Beira, Gorongosa, por minha opção, em vez das traumatizantes deslocações ao "Puto" e ao seio da família.
Bem hajas, mãe!

Qualquer militar que tenha servido no Ultramar (ou Colónias) - mesmo que tivesse sido mecânico, cozinheiro, enfermeiro, telegrafista, vague-mestre ou de outra especialidade de apoio ao combatente operacional - sabe que o médico era apenas... médico. E o exercício da medicina, obviamente, era no "hospital/enfermaria" (quando havia) ou, quando muito no aquartelamento. O do cozinheiro era na cozinha, no aquartelamento.
O que A. Lobo Antunes conta na sua obra - aparte as adulterações/inverdades condenáveis - será baseado nos testemunhos que ouviu, nos feridos e mortos que lhe foram enviados, à mistura com a sua imaginação, criatividade e acréscimo de pitadas de ficção, mais o empolamento próprio do escritor. Para valorização da obra e - admito - sua melhor comercialização.
Quem, daqueles que passaram pela nossa Guerra Colonial, não conhece um caso de um camarada amanuense ou fiel de armazém - "frustrado" pela sua pacata vida, para impressionar madrinhas e/ou amigos e familiares - a escrever aerogramas com imaginosos actos heróicos, sem nunca ter saído do arame farpado?

Deixemos o Lobo Antunes uivar. O homem tem a virtude de, pelo menos, relembrar uma guerra a cair no esquecimento.

Autor: César Santos (Atirador Cav.)

do 3º Grupo de combate - 5 mortos
da Comp. Cav. 2500 - 7 mortosdo
Bat. Cav. 2870 - 11 mortos (total)
(E bastantes evacuados para a Metrópole) »

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

-" António Lobo Antunes e a escrita mentirosa "

Custa-me encontrar um título apropriado à escrita de António Lobo Antunes que, podendo ganhar dinheiro com a profissão de médico, prefere a escrita para envergonhar os portugueses.

Talvez este início de crónica escandalize quem costume venerá-lo. Eu, por maior benevolência que para com ele queira usar não posso, nem devo. Por várias razões, algumas das quais vou enunciar. Porque não gosto de atirar a pedra e esconder a mão.
Este senhor foi mobilizado como médico, para a guerra do Ultramar. Nunca terá sabido manobrar uma G-3 ou mesmo uma Mauser. Certamente nem sequer chegou a conhecer a estrutura de um pelotão, de uma companhia, de um batalhão. Não era operacional mas bota-se a falar como quem pragueja. Refiro-me ao seu mais recente livro: Uma longa viagem com António Lobo Antunes.
João Céu e Silva pode reclamar alguns méritos deste tipo de escrita. Foi o entrevistador e a forma como transpõe as conversas confere-lhe alguma energia e vontade de saber até onde o entrevistado é capaz de levar o leitor. Mas as ideias, as frases, os palavrões, os impropérios, as aldrabices - sim as aldrabices - são de Lobo Antunes.
Vejamos o que ele se lembrou de vomitar na página 391:
«Eu tinha talento para matar e para morrer. No meu batalhão éramos seiscentos militares e tivemos cento e cinquenta baixas. Era uma violência indescritível para meninos de vinte e um, vinte e dois ou vinte e três anos que matavam e depois choravam pela gente que morrera. Eu estava numa zona onde havia muitos combates e para poder mudar para uma região mais calma tinha de acumular pontos. Uma arma apreendida ao inimigo valia uns pontos, um prisioneiro ou um inimigo morto outros tantos pontos. E para podermos mudar, fazíamos de tudo, matar crianças, mulheres, homens. Tudo contava, e como quando estavam mortos valiam mais pontos, então não fazíamos prisioneiros».

Penso que isto que deixo transcrito da página 391 do seu referido livro, se vivêssemos num país civilizado e culto, com valores básicos a uma sociedade de mente sã e de justiça firme, bastaria para internar este «escriba», porque todo o livro é uma humilhação sistemática e nauseabunda, aos Combatentes Portugueses que prestaram serviço em qualquer palco de operações, além fronteiras. É um severo ataque à Instituição militar e uma infâmia aos comandantes de qualquer ramo das Forças Armadas, de qualquer estrutura hierárquica e de qualquer frente de combate. Isto que Lobo Antunes escreve e lhe permite arrecadar «350 contos por mês da editora» (p. 330), deveria ser motivo de uma averiguação pelo Ministério Público. Porque em democracia, não deve poder dizer-se tudo, só porque há liberdade para isso. Essa liberdade que Lobo Antunes usou para enriquecer à custa o marketing que os mass media repercutem, sem remoques, porque se trata de um médico com irmãos influentes na política, ofendeu um milhão de Combatentes, o Ministério da Defesa, uma juventude desprevenida, porque vai ler estes arrotos literários, na convicção de que foi assim que fez a Guerra, entre 1961 e 1974. E ofende, sobretudo, a alma da Portugalidade porque a «aldeia global» a que pertencemos vai pensar que isto se passou na vida real nos finais do século XX.

Fui combatente, em Angola, uns anos antes de Lobo Antunes. Também, como ele fui alferes miliciano (ranger). Estive numa zona muito mais perigosa do que ele: nos Dembos, com operações no Zemba, na Maria Fernanda, em Nuambuangongo, na Mata Sanga, na Pedra Verde, enfim, no coração da guerra. Nunca um militar, qualquer que fosse a sua graduação ou especialidade, atirou a matar. Essa linguagem dos pontos é pura ficção. E essa de fazer cordões com orelhas de preto, nem ao diabo lembraria. E pior do que tudo é a maldade com que escarrou no seu próprio batalhão que tinha seiscentos militares e registou centena e meia de baixas...Como se isto fosse crível!
Se o seu comandante que na altura deveria ser tenente-coronel, mais o segundo comandante, os capitães, os alferes, os sargentos e os soldados em geral, lerem estas aldrabices e não exigirem uma explicação pública, ficarão na história da guerra do Ultramar como protagonistas de um filme que de realidade não teve ponta por onde se lhe pegue.
Em primeiro lugar esta mentira pública atinge esses heróicos combatentes, tão sérios como todos os outros. Porque não há memória de um único Batalhão ter um décimo das baixas que Lobo Antunes atribui àquele de que ele próprio fez parte. É preciso ter lata para fazer afirmações tão graves sobre profissionais que para serem diferentes deste relatório patológico, basta terem a seu lado a Bandeira Portuguesa e terem jurado servi-la e servir a Pátria com honra, dignidade e humanismo. Não conheço nenhum desses seiscentos militares que acolheram António Lobo Antunes no seu seio e até trataram bem a sua mulher que lhes fez companhia, em pleno mato, segundo escreve nas páginas 249 e 250. Mereciam eles outro respeito e outros elogios. Porque insultos destes ouvimos e lemos muitos, no tempo do PREC. Mas falsidades tão obscenas, nem sequer foram ditas por Otelo Saraiva de Carvalho, quando mandou prender inocentes, com mandados de captura, em branco e até quando ameaçou meter-me e a tantos, no Campo Pequeno para a matança da Páscoa. Estas enormidades não matam o corpo, mas ferem de morte a alma da nossa Epopeia Nacional.

Autoria: Barroso da Fonte

sábado, 21 de novembro de 2009

-" A Cabeça do Polvo "

O sistema judicial português enfrenta o imenso desafio de não deixar que o Face Oculta se torne numa segunda Casa Pia.
Até aqui o processo tem tido um avanço modelar. Não houve interferências políticas. Lopes da Mota não veio de Bruxelas discutir com os seus pares metodologias de arquivamento e, no que foi uma excelente janela de oportunidade de afirmação de independência, não havia sequer Ministro da Justiça na altura em que o País soube da enormidade do que se estava a passar no mundo da sucata.
Mas, há ainda um perturbante sinal de identidade com a Casa Pia. É que o único detido, até aqui, é o equivalente ao Bibi e Manuel Godinho, o sucateiro, no mundo da alta finança política não pode ser muito mais do que Carlos Silvino foi no mundo da pedofilia. Ambos serviram amos exigentes, impiedosos e conhecedores que tentaram, e tentam, manter a face oculta.
É preciso ter em mente que as empresas públicas são organizações complexas. Foram concebidas para ser complicadas. Com os tempos foram-se tornando cada vez mais sinuosas.
Nas EPs, as tecnoestruturas, que Kenneth Galbraith identificou e descreveu como o cancro das grandes organizações, ocupam tudo e têm-se multiplicado, imunes a qualquer conceito de racionalidade democrática, num universo onde não conta o bom senso ou a lógica de produtividade. Parecem ter um único fim: servirem-se a si próprias. Realmente já não são fiscalizáveis. Nas zonas onde era possível algum controlo foram-se inventando compartimentos labirínticos para o neutralizar, com centros de custos onde se lançam verbas no pretexto teórico de elaborar contabilidades analíticas, mas cujo efeito prático é tornar impenetráveis os circuitos por onde se esvai o dinheiro público. Há sempre mais um campo a preencher em formulários reinventados constantemente onde as rubricas de gente que de facto é inimputável são necessárias para manter os monstros a funcionar.
Sem controlo eficaz, nas empresas públicas é possível roubar tudo. Uma resma de papel A4, uma caneta BIC, um milhão de Euros, uma auto-estrada ou uma ponte. Tudo isto já foi feito. Por isso mais de metade do produto do trabalho dos portugueses está a fugir por esse mundo soturno que muito poucos dominam.
Por causa disso, grande parte do património nacional é já propriedade dos conglomerados político-financeiros que hoje controlam o País. Por tudo isto é inconcebível que Manuel Godinho tenha sido o cérebro do polvo que durante anos esteve infiltrado nas maiores empresas do Estado. Ele nunca teria conhecimentos técnicos para o conseguir ser. Houve quem o mandasse fazer o que fez. Godinho saberá subornar com de sacos de cimento um Guarda-republicano corrupto ou disfarçar com lixo fedorento resíduos ferrosos roubados (pags 8241 e 8244 do despacho judicial). Saberá roubar fio de cobre e carris de caminho de ferro. Mas Godinho não é mais do que um executor empenhado e bem pago de uma quadrilha de altos executivos, conhecedores do sistema e das suas vulnerabilidades, que mandou nele.
É preciso ir aos responsáveis pelas empresas públicas e aos ministérios que as tutelam. Nas finanças públicas, Manuel Godinho não é mais do que um Carlos Silvino da sucata.
Se se deixar instalar a ideia de que ele é o centro de toda a culpa e que morto este bicho está morta esta peçonha, as faces continuarão ocultas. E a verdade também.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

- O dia 11 de Novembro e as Forças Armadas"

O dia 11 de Novembro está ligado a dois acontecimentos da história de Portugal que não podem ser ignorados. As datas de 11 de Novembro de 1918 e de 11 de Novembro de 1975.
Apesar de as separem 57 anos, em ambas, as Forças Armadas tiveram um papel de relevo.

Em 11 de Novembro de 1918, foi assinado o armistício que pôs fim à I Guerra Mundial, na qual Portugal decidiu participar para garantir, em caso de vitória, que teria assento na futura conferência onde seriam discutidas as sanções de guerra que, inevitavelmente, iriam abranger as colónias alemãs e redesenhar o mapa colonial africano.
Foi uma decisão que demonstrou elevado discernimento político, ao prever que se os ingleses saíssem vitoriosos não deixariam de tentar deitar a mão às colónias portuguesas.
A posse das colónias ficou garantida e o Exército comportou-se de forma exemplar.

Em 11 de Novembro de 1975, aconteceu tudo exactamente ao contrário !
Angola deixou de ser território português e as Forças Armadas, depois de terem cumprido o seu dever de forma exemplar ao longo de 14 anos de guerra, tiveram um comportamento vergonhoso nos meses que antecederam a independência.

Embora estes acontecimentos estejam em extremos opostos na escala de valores há, porém, um acontecimento que os une.
Nos últimos anos, em todos os dias 11 de Novembro realizam-se cerimónias, ao longo de Portugal inteiro, em homenagem aos combatentes mortos na I Guerra Mundial, organizadas por militares e com larga participação das Forças Armadas.
Embora a intenção seja a melhor, estas cerimónias, se bem as analisarmos, constituem um acto de cinismo atroz.
Como é possível umas Forças Armadas que ainda têm nas suas fileiras, ou a elas ligados, responsáveis participantes na vergonhosa descolonização, terem o desplante de homenagear militares que morreram para defenderem o que os homenageantes anos mais tarde traíriam ?...
Dirão que “não é uma nuvem que faz a tempestade”, “que em todos os rebanhos há uma ovelha ranhosa”, “que é necessário separar o trigo do joio” ( ! ) …pois é !...
É exactamente isso que falta fazer !...
As Forças Armadas se querem recuperar o prestígio que sempre tiveram e que, sem dúvida, perderam em 1975, terão de se depurar a elas próprias.
Não é com uma campanha de marketing, como o general Loureiro dos Santos ainda há pouco afirmou num programa de televisão, que as Forças Armadas poderão recuperar o respeito da sociedade civil. É levando a julgamento todos os implicados e responsáveis pelos desvarios, pelos actos de covardia, pelas traições, pelo abandono dos seus compatriotas, que as Forças Armadas poderão recuperar o respeito dos portugueses.
Não é necessário fazer uma lista com os nomes daqueles que deveriam ser levados a tribunal, para serem ilibados ou condenados, porque são do domínio público. Desde dois presidentes da República, a dois alto-comissários, ao comandante do Coplad, ao comandante da Polícia Militar e a muitos outros que facilmente serão identificados, todos deverão ser chamados a prestar contas das suas actuações.
Mas há um nome que sobressai de entre todos os protagonistas desta tragédia, pela forma vergonhosa e descarada como permitiu que o MPLA dominasse as FA e imperasse em Luanda, dando cobertura a muitos dos crimes que aquele movimento cometeu : o então alto-comissário almirante Rosa Coutinho, apelidado de “almirante vermelho”.
Ao desembarque de milhares de militares cubanos, às prisões efectuadas pela Polícia Militar e pelos Fusileiros entregando os presos ao MPLA, pelas prisões feitas pelo MPLA com a conivência da Polícia Judiciária, pela subserviência ao MPLA a que obrigou muitos militares, e pela forma ignóbil como traiu a população branca, este militar deveria ser o primeiro a ser responsabilizado pelos vergonhosos acontecimentos de Angola.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

-" Os Intocáveis "


O processo Face Oculta deu-me, finalmente, resposta à pergunta que fiz ao ministro da Presidência Pedro Silva Pereira - se no sector do Estado que lhe estava confiado havia ambiente para trocas de favores por dinheiro. Pedro Silva Pereira respondeu-me na altura que a minha pergunta era insultuosa.
Agora, o despacho judicial que descreve a rede de corrupção que abrange o mundo da sucata, executivos da alta finança e agentes do Estado, responde-me ao que Silva Pereira fugiu: Que sim. Havia esse ambiente. E diz mais. Diz que continua a haver.
A brilhante investigação do Ministério Público e da Polícia Judiciária de Aveiro revela um universo de roubalheira demasiado gritante para ser encoberto por segredos de justiça.
O país tem de saber de tudo porque por cada sucateiro que dá um Mercedes topo de gama a um agente do Estado há 50 famílias desempregadas.
É dinheiro público que paga concursos viciados, subornos e sinecuras.
Com a lentidão da Justiça e a panóplia de artifícios dilatórios à disposição dos advogados, os silêncios dão aos criminosos tempo. Tempo para que os delitos caiam no esquecimento e a prática de crimes na habituação. Foi para isso que o primeiro-ministro contribuiu quando, questionado sobre a Face Oculta, respondeu: "O Senhor jornalista devia saber que eu não comento processos judiciais em curso (…)". O "Senhor jornalista" provavelmente já sabia, mas se calhar julgava que Sócrates tinha mudado neste mandato.
Armando Vara é seu camarada de partido, seu amigo, foi seu colega de governo e seu companheiro de carteira nessa escola de saber que era a Universidade Independente. Licenciaram-se os dois nas ciências lá disponíveis quase na mesma altura. Mas sobretudo, Vara geria (de facto ainda gere) milhões em dinheiros públicos. Por esses, Sócrates tem de responder. Tal como tem de responder pelos valores do património nacional que lhe foram e ainda estão confiados e que à força de milhões de libras esterlinas podem ter sido lesados no Freeport.
Face ao que (felizmente) já se sabe sobre as redes de corrupção em Portugal, um chefe de Governo não se pode refugiar no "no comment" a que a Justiça supostamente o obriga, porque a Justiça não o obriga a nada disso. Pelo contrário. Exige-lhe que fale. Que diga que estas práticas não podem ser toleradas e que dê conta do que está a fazer para lhes pôr um fim.
Declarações idênticas de não-comentário têm sido produzidas pelo presidente Cavaco Silva sobre o Freeport, sobre Lopes da Mota, sobre o BPN, sobre a SLN, sobre Dias Loureiro, sobre Oliveira Costa e tudo o mais que tem lançado dúvidas sobre a lisura da nossa vida pública. Estes silêncios que variam entre o ameaçador, o irónico e o cínico, estão a dar ao país uma mensagem clara:
os agentes do Estado protegem-se uns aos outros com silêncios cúmplices sempre que um deles é apanhado com as calças na mão (ou sem elas) violando crianças da Casa Pia, roubando carris para vender na sucata, viabilizando centros comerciais em cima de reservas naturais, comprando habilitações para preencher os vazios humanísticos que a aculturação deixou em aberto ou aceitando acções não cotadas de uma qualquer obscuridade empresarial que rendem 147,5% ao ano.
Lida cá fora a mensagem traduz-se na simplicidade brutal do mais interiorizado conceito em Portugal:
nos grandes ninguém toca.

(Fonte: JN de 2 do corrente )

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

- "Vozes de burro não chegam ao céu"



Adjectivos são fáceis de encontrar !... Ignorante, estúpido, mentecapto, faccioso, etc. etc. Mas contra isso nada podemos fazer. Cada um é como é.

O vídeo, o pedido de desculpas, os comentáriosa justificando a incapacidade mental… nada disso tem importância. São somente prova de que se pode ser, ao mesmo tempo, célebre e estúpido.

A parte importante da questão é a atitude da produção do programa e os motivos pelos quais puseram o vídeo no ar.
Sobre isto é que se deve reflectir e questionar a posição das emissoras de televisão brasileiras que emitem em Portugal.


quinta-feira, 8 de outubro de 2009

- Rui Rio e o ilusionismo

No vídeo exibido a seguir podem ver um espetáculo fabuloso de ilusionismo a rondar o inacreditável, semelhante ao resultado da sondagem divulgado ontem que atribuiu a Rui Rio (para quem não saiba é o malogrado presidente da Câmara do Porto) vitória por maioria absoluta nas eleições autárquicas que se realizarão no próximo Domingo.
Esta sondagem deve ser mais um estertor de quem tem contra si a grande maioria dos portuenses conscientes de que a sua cidade está a morrer. Qualquer um pode constatar, passeando pela cidade, o fim trágico a que uma gestão camarária incompetente está a conduzir a cidade.
O actual presidente da CMP não será, de certeza, transportado na minha barca.

video


quinta-feira, 10 de setembro de 2009

-"Descoberto o segredo da IURD "

Foi descoberto o segredo do tesouro da IURD –IGREJA UNIVERSAL DO REINO DE DEUS

A IURD foi fundada por Edir Macedo em 1977. Hoje, ele e nove membros da IURD são acusados de usar dinheiro dos fiéis.

Era sempre assim. Quando a música baixava e os apelos do pastor deixavam de se ouvir, os fiéis levantavam os joelhos do chão para depositar o dinheiro no altar.
Lá fora, as dúvidas resistiam. Durante 32 anos, a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) rejeitou todas as suspeitas de corrupção, mas elas nunca desapareceram. Agora colaram-se à instituição para sempre.
O Ministério Público de São Paulo acusou o fundador, Edir Macedo, e outros nove membros de associação criminosa e lavagem de dinheiro.
As três décadas de história da IURD contam-se com somas milionárias, multidões de fiéis, discursos inflamados e, sobretudo, suspeitas.
Logo em 1977, uma inspecção da Receita Federal sugere que a igreja deve perder a imunidade fiscal porque está a ser usada para ganhar dinheiro - segundo a Constituição do país, o património e as fontes de rendimento das igrejas só podem ser utilizados para actividades religiosas e nunca para a obtenção de lucro.
Uma década depois, a mesma instituição elabora um estudo para regulamentar as doações de dinheiro relacionadas com a fé. A proposta nunca foi aprovada.

O VÍDEO DO DÍZIMO
Outras dúvidas são levantadas quando, em 1995, Edir Macedo surge num vídeo a ensinar aos pastores como pedir dinheiro aos crentes. "Se você se mostrar chocho, o povo não confia em você. Você tem de falar como se fosse o super-herói do povo. Peça, peça... Se houver alguém que não dê, há um montão que vai dar", explicava com uma exuberante coreografia de braços.
Desde que o vídeo foi divulgado, a instituição foi exaustivamente investigada, mas pouquíssimas irregularidades ficaram provadas nos dez processos que foram instaurados.
O Código Penal brasileiro não inclui práticas religiosas. Se alguém quiser doar todo o seu património à igreja, tem toda a liberdade para o fazer. Assim, para condenar os líderes da igreja, um objectivo era fundamental: provar que o dinheiro doado estava a enriquecer os líderes da igreja e não a financiar obras de caridade.
Era preciso descobrir o percurso do dinheiro desde que saía dos bolsos dos crentes até ser usado para pagar a construção de uma mansão de 2000 m2 (como a construída por Edir Macedo em 2007). É isto que, após dois anos de investigação, os procuradores acabam de conseguir.
Entre 2001 e 2008, a IURD recebeu mais de 3 mil milhões de euros doados pelos seus 8 milhões de seguidores. Metade do dinheiro foi colocado na caixa do dízimo dos templos, a outra metade chegou através de 4015 transferências bancárias. Nenhum deste dinheiro pagou impostos.

EMPRESAS FANTASMA
Alguns destes milhões foram depois utilizados em pagamentos a duas empresas-fantasma: a Cremo Empreendimentos e a Unimetro Empreendimentos. Só em 2004 e 2005, estas empresas (que não prestam um único serviço) movimentaram 27 milhões de euros, garantiu à revista "Veja" fonte da Secretaria da Fazenda.
A paragem seguinte destes milhões eram duas empresas sedeadas em paraísos fiscais nas ilhas Caimão e nas do Canal (a Investholding e a Cableinvest). Sob a forma de empréstimos a executivos da IURD, o capital regressava depois à terra natal para ser aplicado na compra de aviões particulares (como um Cessna de 1 milhão de euros), mansões ou para ser investido no império que a igreja construiu na comunicação social - 22 canais de televisão e 42 estações de rádio.
Edir Macedo é hoje dono de 90% da Rede Record (a mulher possui os outros 10%), que foi comprada em 1992 por 20 milhões de dólares. Além disso, tem dois apartamentos de luxo na sofisticada Collins Avenue, em Miami. Um foi comprado por 1,5 milhões de euros e o outro por 3,3 milhões. Em 2007 construiu uma enorme mansão de 2000 m2 em São Paulo, em Campos Jordão. É lá que parte do tesouro da IURD estará enterrado.

Autoria de Alexandre Soares


quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Campanha de protesto no Brasil

Do blogue "O Mundo by Thais" transcrevemos e divulgamos a campanha que está a ser levada a efeito contra e desonestidade na política.


As regras da campanha são as seguintes:
1. Durante o período de 07 a 20 de setembro, exibia a imagem do logo como o primeiro post de seu blog ou deixe-a fixa no topo da barra lateral;
2. O texto padrão junto ao logo deve ser:"BRAVA GENTE BRASILEIRA, LONGE VÁ TEMOR SERVIL! Comemoramos o Dia da Independência do Brasil, resgatando nosso patriotismo adormecido e protestando contra os abusos, a corrupção e a impunidade de uma classe política que zomba e se lixa para nós. Repasse essa campanha adiante. Nosso país agradece".
3. Exiba a imagem e o texto em todos os perfis que possuir (orkut, twitter, gmail, facebook, myspace, MSN, etc);
4. Envie esta mensagem também para:- Senado Federal: Alô Senado http://www.senado.gov.br/sf/senado/centralderelacionamento/sepop/?page=alo_sugestoes&area=alosenado- Câmara Federal: Fale com o deputado: http://www2.camara.gov.br/canalinteracao/faledeputado- Supremo Tribunal Federal – Central do Cidadão - http://www.stf.jus.br/portal/centralCidadao/enviarDadoPessoal.asp- Procuradoria Geral da União - pfdc@pgr.mpf.gov.br- Presidência da República – Fale com o Presidente - https://sistema.planalto.gov.br/falepr2/index.php5.
Enviem essa campanha (imagem, texto e instruções) por email para toda sua lista de contatos, para todos os seus conhecidos, para os seguidores de seu blog, para as autoridades de seus municípios, para os jornais, revistas, rádios e emissoras de TV, etc.
Contamos com a colaboração de todos.
Nosso país agradece!

domingo, 16 de agosto de 2009

-" Aditamento à lista Bilderberg "


Vários leitores tiveram a amabilidade, que agradeço, de me enviarem mais estes nomes que não fazem parte da lista anterior:

Leonor Belezapresidente da Fundação Champalimaud
José Pedro Aguiar Branco-deputado,ex-ministro da Justiça
Augusto Santos Silvaministro dos assuntos parlamentares
Estela Barbotvice-presidente da AGA Porto e da AEP
António Carrapatosodirector da Vodafone e da Vodacom


E, também, alguns estrangeiros que, de algum modo, podem influenciar a política portuguesa:

Juan Luís Cebrion-administrador executivo do Grupo Prisa
Klaus Kleinfeld – Presidente da Siemens AG
Matias Rodrigues Inciarte–vice-presid. do Grupo Santander
Jean-Claude Trichet –governador do Banco Central Europeu
Paul Wolfowitz – presidente do Banco Mundial


sexta-feira, 14 de agosto de 2009

-"Os portugueses do clube Bilderberg"


O Engº Arnaldo Norton deve ter andado muito tempo pelo estrangeiro para ainda se admirar com estas manobras.
O pedido que faz no seu blogue
«http://rosadosventos1.blogspot.com/», na sua publicação de 07 do corrente sobre o Clube Bilderberg, não é difícil de satisfazer, bastando para isso socorrermo-nos da edição de 02.01.2006 do jornal “O Semanário” para ficarmos a saber quem são os portugueses que fazem parte ou frequentam o Clube Bilderberg.

A lista é extensa mas muito interessante e ao utilizá-la não se corre o risco de represálias, o que, nos tempos que correm, não é muito difícil de admitir.
Além disso, a introdução que o seu autor faz é, deveras, esclarecedora.
Eis o artigo :

"Todos os portugueses de Bilderberg 2006-01-02

O SEMANÁRIO publica, em exclusivo, a lista de todos os portugueses que já estiveram em reuniões de Bilderberg, um clube que é considerado uma espécie de governo-sombra a nível mundial. Uma das principais tarefas dos jornalistas que investigam o clube é não só saber quem participa nas reuniões mas, sobretudo, acompanhar o seu percurso nos tempos seguintes. Quase todos, ascendem a altos postos.
Na reunião que teve lugar de 3 a 6 de Junho, em Stresa, em Milão, Santana Lopes e José Sócrates estiveram presentes, juntamente com Pinto Balsemão.
Curiosamente, Santana seria primeiro-ministro dois meses depois e nem passaria um ano para José Sócrates chefiar o Governo.
Outros três intervenientes na crise política de 2004, o Presidente da República, Jorge Sampaio, Durão Barroso, então primeiro-ministro, e Ferro Rodrigues, então líder do PS, também estiveram em reuniões de Bilderberg. Sampaio esteve presente em 1999, na reuniãode Sintra. Durão é um velho conhecido de Bilderberg, tendo estado presente em 1994, 2003 e já este ano, na Alemanha, na qualidade de presidente da Comissão Europeia. Já Ferro esteve presente na reunião de 2003.
Francisco Pinto Balsemão - É um membro permanente do Clube de Bilderberg desde 1988, tendo participado em quase todas as reuniões anuais desde essa data. Pertence mesmo ao comité restrito, denominado "Steering". É ele quem tem convidado muitas personalidades portuguesas a estarem presentes no clube. Em 1988, Pinto Balsemão tinha abandonado o cargo de primeiro-ministro há 5 anos e estava dedicado aos seus negócios, mantendo também o "Expresso". Anos depois abriria a SIC, aproveitando a liberalização da televisão feita pelo governo de Cavaco Silva. O processo conturbado, com divisões no próprio Conselho de Ministros, tendo o grupo televisivo de Proença de Carvalho sentido-se desfavorecido. Pinto Balsemão é hoje presidente da Impresa. Falado como potencial candidato presidencial, nunca se concretizou esta hipótese.
Mira Amaral - Ministro da Indústria de Cavaco Silva. Participou na reunião de Bilderberg em 1995, no final do governo de Cavaco Silva, numa altura em que o professor rumava à corrida a Belém e Fernando Nogueira e Durão Barroso disputavam a liderança do PSD. O facto de ter estado presente pode significar que o seu nome esteve fadado para mais altos voos, que depois não se concretizaram. É especialista em energia e tem-se dedicado à sua actividade de administrador de empresas. Foi administrador da Caixa Geral de Depósitos, tendo saído do banco num processo político conturbado. Só participou em Bilbderberg na reunião de 1995.
Joaquim Ferreira do Amaral - Ministro das Obras Públicas de Cavaco Silva, uma das cartas mais importantes do governo, artíficie das auto-estradas portuguesas. Tem mostrado disponibilidade para combates difíceis, tendo perdido Lisboa para João Soares. Participou na reunião de Bilderberg que ocorreu em Sintra, em 1999, uma das que teve mais participantes portugueses. A sua presença é significativa, tanto que dois anos depois seria candidato à Presidência da República, defrontando Jorge Sampaio. Só esteve presente em 99.
António Barreto - Este investigador esteve presente na reunião de 1992, em pleno cavaquismo, um ano depois de Cavaco obter a sua segunda maioria absoluta. António Barreto foi ministro da Agricultura nos primeiros governos PS, tendo deixado o seu nome associado à Lei Barreto, massacrada pelos comunistas por traduzir o primeiro desmantelamento da reforma agrária. Teve um papel essencial na candidatura presidencial de Soares em 1986, sendo o seu porta-voz. Foi ele quem apelou ao "povo de esquerda" para a segunda volta de Soares contra Freitas do Amaral. Nos últimos anos tem-se dedicado à investigação e a comentários e análises nos jornais. É uma mente brilhante, o género de pessoa que os bilderbergs políticos gostam de ver no seu seio. Só participou na reunião de 92.
Durão Barroso - Participou na reunião de Bilderberg de 1994, quando era ministro dos Negócios Estrangeiros de Cavaco Silva. Não por acaso, um ano depois estava a candidatar-se à liderança do partido. Perdeu para Fernando Nogueira, mas a sorte acabou por o bafejar, porque Nogueira foi derrotado por Guterres (num ciclo político muito desfavorável ao PSD). Durão ficou como reserva e tornou-se líder social-democrata em 1999, quando Marcelo Rebelo de Sousa saiu. Apesar de ter perdido as legislativas de 99 para Guterres não se deu por vencido, ficando célebre a sua frase "tenho a certeza que serei primeiro-ministro, só não sei é quando." O seu vatícinio acabou por confirmar-se, tornando-se primeiro-ministro em 2002. Em 2003, voltou a estar presente no clube de Bilderberg, na qualidade de primeiro-ministro. Em meados de 2004 era designado presidente da Comissão Europeia. Voltou a participar na reunião deste ano de 2005 de Bilderberg, que teve lugar na Alemanha, na qualidade de presidente da Comissão.
António Borges- É o homem português da Goldmam Sachs, curiosamente uma empresa com ligações a Bilderberg. Esteve presente na reunião do clube em 1997, o que mostra que o seu nome é badalado para altos voos há muito tempo. Se estava na calha para a liderança laranja, acabou por ser Durão a tomar o lugar de Marcelo. Em 1998, escapou, miraculosamente, ao acidente fatal da TWA, que não deixou sobreviventes. Chegou a ter bilhete mas não embarcou. Na reunião de 2003 do clube voltou a estar presente. Em 2004, foi um dos principais critícos da solução Santana Lopes para suceder a Durão Barroso. Actualmente, está posicionado para suceder a Marques Mendes. É um homem muito próximo de Cavaco Silva, ainda que o professor não favoreça as amizades e às vezes até as discrimine.
Maria Carrilho - Investigadora, sempre esteve ligada ao PS, tendo sido deputada à Assembleia da República e ao Parlamento Europeu. Hoje é vice-presidente da Assembleia da República. É especialista em assuntos de defesa, uma área prioritária nas discussões de Bilderberg. Esteve presente na reunião do clube em 1995, o ano da chegada ao poder de António Guterres.
António Guterres - Esteve presente na reunião deste ano na Alemanha, já na qualidade de Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados. O seu nome continua a ser uma hipótese para outros voos, designadamente o Palácio de Belém, em 2011 ou 2016.
Roberto Carneiro - Ministro da Educação de Cavaco Silva. Esteve presente na reunião de 1992, no auge do cavaquismo. Chegou a ser-lhe vaticinada uma importante carreira política mas, depois da queda de Cavaco, os seus interesses viraram--se para outras áreas. Envolveu-se no projecto inicial da TVI, como profundo católico que é, e tem-se dedicado à investigação universitária e a algumas iniciativas empresariais.
Vitor Constâncio - Esteve presente em Bilderberg em 1988, quando era secretário-geral do PS. Nunca mais participou em nenhuma reunião depois desta data. Afastou-se das lides mais activas do PS e dedicou-se ao que sabe fazer muito bem: os assuntos económicos. O Partido premiou-o com o Banco de Portugal.
Vasco Pereira Coutinho - Um dos maiores empresários portugueses, tendo enriquecido com o negócio da AutoEuropa. Esteve presente na reunião de 1998, numa altura em que Marcelo Rebelo de Sousa liderava o PSD. Durão Barroso fez uma viagem de férias ao Brasil, no avião dele e na sua casa, quando era primeiro-ministro, provocando grande polémica. É apoiante de Cavaco Silva.
João Cravinho - Esteve presente na reunião de 1999, no auge do guterrismo, sendo ministro do Planeamento e da Administração do Território. Alia um pensamento interessante a uma excelente preparação técniva, devendo ter participado no clube como um dos "cérebros" que os políticos gostam de ouvir. Atacou bastante Guterres no fim dos seus dias, sendo um homem próximo de Jorge Sampaio (mas muito senhor do seu nariz).
José Cutileiro - O embaixador português esteve presente na reunião de Bilderberg em 1994, tornando-se presidente da estrutura de defesa da União Europeia, a UEO, logo nesse ano. É um homem culto, brilhante, com opiniões geoestratégicas muito auscultadas por qualquer governante.
José Manuel Galvão Teles - Advogado, homem muito próximo de Mário Soares, de quem é amigo e vizinho. Esteve presente na reunião de Bilderberg de 1997, no auge do guterrismo. É conselheiro de Estado.
Teresa Patrício Gouveia - Fez parte do governo de Cavaco, como secretária de Estado da Cultura e como ministra do Ambiente. Esteve presente na reunião de Bilderberg em 2000.Foi ministra dos Negócios Estrangeiros de Durão Barroso.
Marçal Grilo - Ministro da Educação de António Guterres, de quem era amigo. Esteve presente na reunião de Bilderberg de 1999, em Sintra. Há quem diga que é uma mente brilhante.
Miguel Horta e Costa - Esteve presente na reunião do clube em 1998, no tempo da liderança laranja de Marcelo, sendo vice-presidente da Portugal Telecom. Já no tempo de Durão Barroso ascendeu à presidência da empresa, mantendo-se com Santana Lopes e José Sócrates, todos bilderbergs. Deverá sair da PT já em Janeiro.
Margarida Marante - É um dos dois jornalistas que marcaram presença em Bilderberg, tendo estado presente em 1996, no auge da sua carreira na SIC, onde conheceu Emídio Rangel e contraiu matrimónio. É próxima da área do PSD.
Vasco de Mello - Um dos grandes empresários portugueses. Esteve presente na reunião de Sintra, em 1999. Tem tido um percurso discreto, mantendo pontes com o poder político mas não dando azo a conversas.
Carlos Monjardino - Homem da área do PS, que participou no governo de Macau. Grande empresário, com ligações fortes ao Oriente, sobretudo a Stanley Ho. Presidente da Fundação Oriente. Há muito que é falado para candidato presidencial mas nunca conseguiu concretizar essa aspiração. Esteve presente na reunião de Bilderberg de 1991, no auge do cavaquismo e da reeleição de Mário Soares, de quem é muito próximo.
Murteira Nabo - Ministro fugaz de António Guterres, tendo de se demitir por causa de um caso de sisa. Esteve presente na reunião do clube em 1999, já era presidente da PT há três anos. Faria de Oliveira - Ministro do Turismo de Cavaco Silva, esteve presente na reunião de Bilderberg em 1993, sendo uma peça essencial na ligação entre o então primeiro-ministro e o mundo dos negócios, quer público, quer privado.
Carlos Pimenta - Ministro do Ambiente de Cavaco, um dos mais activos de sempre. Chegou a ser-lhe vaticinando um futuro político risonho. Esteve na reunião de Bilderberg de 1991. Nos últimos anos, afastou-se da política.
Francisco Lucas Pires - O malogrado líder do CDS, que depois se aproximou do PS, era uma mente brilhante, a quem pareciam reservados altos voos. No entanto, só esteve presente na reunião do clube de 1988.
Ricardo Salgado - Um dos grandes banqueiros portugueses. Esteve na reunião de 1997, quando Marcelo era líder do PSD e voltou a estar na reunião de 1999, em Sintra. É um homem com relações privilegiadas com o poder político à direita. Santana Lopes chegou a chamá-lo para uma reunião privada. Viu o seu banco, o BES, ser alvo de buscas judiciais este ano.
Jorge Sampaio - Presidente da República. Participou na reunião de Bilderberg, em Sintra, na qualidade de primeiro magistrado da Nação portuguesa, uma presença, sem dúvida, polémica.
Nicolau Santos - O outro jornalista que participou em Bilderberg, tendo estado em Sintra em 1999. É especialista em assuntos económicos. Curiosamente, os jornalistas que estiveram no clube eram ambos profissionais no grupo de Balsemão, Nicolau Santos no "Expresso" e Margarida Marante na SIC.
Artur Santos Silva - Um dos grandes banqueiros portugueses, com o seu BPI. Tem relações privilegiadas à esquerda e é um homem culto, de uma família espiritual. Esteve presente na reunião de 1999. Curiosamente, nesta reunião só acabou por faltar um banqueiro do BCP, um banco com outra estratégia, mais europeia.
Marcelo Rebelo de Sousa - Esteve presente na reunião de 1998, quando era líder do PSD e ainda julgava que era possível fazer renascer a AD com Paulo Portas e ganhar as eleições legislativas de 1999 a António Guterres. As coisas correram-lhe mal, metendo o caso da Universidade Moderna pelo meio (afectando Portas). Regressou ao comentário político. A entrada na corrida de Belém também falhou, porque tudo correu bem a Cavaco.
Miguel Veiga - Advogado nortenho, um histórico do PSD, com relações fortes com a ala soarista do PS. Esteve em Bilderberg em 1994, no fim do cavaquismo. Tornou-se um dos piores inimigos de Santana Lopes, sendo a voz mais forte contra a sua indigitação para primeiro-ministro, sucedendo a Durão Barroso.
António Vitorino - Era a eminência-parda do guterrismo, tendo estado na reunião de Bilderberg de 1996, quando era vice-primeiro-ministro e ministro da Defesa. Por causa de um caso de sisa, acabou por se demitir. Foi comissário europeu e o seu nome chegou a estar na calha para presidir à Comissão. Rejeitou ser candidato à Presidência da República.
Oliveira Martins - Participou na reunião de 2001, quando era ministro da Presidência do governo Guterres, já no ocaso do guterrismo, depois da queda da ponte de Castelo de Paiva. Se não fosse independente, tinha sido um nome possível para a corrida à liderança do PS. Tornou-se presidente do Tribunal de Contas este ano, numa nomeação polémica, face à natureza das funções do órgão, que requerem independência e imparcialidade.
Vasco Graça Moura - Deputado ao Parlamento Europeu pelo PSD, poeta e erudito. Esteve presente na reunião de 2001 de Bilderberg. É um intelectual brilhante, que os políticos gostam de ouvir.
Ferro Rodrigues - Esteve presente na reunião de 2003, quando era líder do PS, pouco depois de ter deflagrado o caso Casa Pia no partido. Depois de Jorge Sampaio ter dado posse a Santana Lopes, demitiu-se, tomando a decisão presidencial como uma derrota pessoal. É hoje embaixador português da OCDE em Paris.
Santana Lopes - Esteve presente na reunião de 2004, que ocorreu de 3 a 6 de Junho em Stresa, Milão. Curiosamente, pouco mais de um mês depois era primeiro-ministro de Portugal. A vida, contudo, não lhe correu bem. Ao ponto de Jorge Sampaio ter dissolvido o Parlamento e convocado eleições legislativas.
José Socrates- Tal como Santana Lopes, esteve presente na reunião de Stresa de 2004. Curiosamente, menos de um ano depois seria primeiro-ministro de Portugal, parecendo estar no cargo de pedra e cal.
Nuno Morais Sarmento - Esteve presente na reunião de Bilderberg deste ano, tendo sido convidado por Pinto Balsemão, um facto que pode ter significado nos próximos tempos."


Como vêem a lista é extensa e o nome do autor nem sequer é mencionado.
Talvez ele não se sentisse muito seguro !...
Outro aspecto curioso, é que todos conseguiram ficar muito bem colocados. Há cada coincidência !...

- " O clube Bilderberg ( II ) "

No primeiro texto que publiquei em 07 do corrente sobre este tema, posso ter deixado a impressão errada que me propusera a desmascarar as actividade e os propósitos deste clube de maníacos megalómanos.
Aquilo a que me decidi não foi isso, até porque qualquer leitor pode documentar-se na Wikipedia. Com facilidade podem saber a origem, a constituição, a identidade dos seus fundadores, as datas e locais das reuniões, e os objectivos que perseguem.

A minha indignação deveu-se, e deve-se, não ao facto de eu constatar a existência de mais um “grupo de pressão”, além dos muitos que já existem, mas, sim, por verificar que a censura continua a existir e que o tráfico de influências e a corrupção continuam a grassar impunemente.

Quem fosse à Wikipédia, há alguns meses atrás, encontraria um capítulo intitulado “ Os portugueses participante do Clube Bilderberg”; mas encontrariam somente o título porque a lista de nomes tinha sido apagada.
Porque será que eles tanto temem que se saiba que pertencem a este clube ?...

Actualmente, na Wikipédia, só encontramos referências à participação de Jorge Braga de Macedo, de Francisco Pinto Balsemão e de Durão Barroso.Mas eu sei que há mais e procurarei identificá-los !
Para já, posso divulgar fotografias de dois políticos portugueses que foram publicadas no livro de Daniel Estulin, embora não possa garantir a sua autenticidade.


Entretanto, se algum dos meus leitores tiver elementos que queira publicar o meu blogue está, incondicionalmente e sem censura, à disposição.

Fonte:
blogue Rosa dos Ventos «http://rosadosventos1.blogspot.com/ »


sábado, 8 de agosto de 2009

-" Morreu Raúl Solnado "

Portugal perdeu um grande comediante a quem ficamos a dever muitas e boas gargalhadas. Ficamos todos mais pobres.

Descansa em paz.

Uma despretensiosa homenagem: " A Guerra de 1908 "

video

( Transcrito de http://rosadosventos1.blogspot.com/ )

E eu permito-me acrescentar: morreu o homem que nos pedia " o favor de sermos felizes"...


-" O Clube Bilderberg "

Em 1995 e 1996 estive na Alemanha a fazer uma auditoria e, de entre os muitos documentos que me passaram pelas mãos, houve um que me despertou particularmente a atenção porque fazia referência a alguns políticos como sendo “Bilderberg”. A minha curiosidade despertou e procurei saber o significado da designação.
Fiz uma busca superficial e cheguei à conclusão que se tratava de um grupo de “paranóicos” inofensivos, convencidos que com o seu dinheiro poderiam comandar o Mundo que se reunia, anualmente, num fim-de-semana de confraternização.
A minha curiosidade voltou a ser despertada quando, em 2008, vi nas livrarias um livro com o título “ Toda a Verdade Sobre o CLUBE BILDERBERG “, da autoria do jornalista espanhol Daniel Estulin. Recordei-me, imediatamente, do documento que tinha lido em 1965 ou 1966.
Li o livro e fiquei entre indignado, estupefacto e céptico!...
Como é que uma coisa destas pode ser verdade ?...
Será que a relação entre alguns acontecimentos e os “Bilderberg” não passa de uma coincidência ?...
Algum tempo depois, em conversa com um colega tocamos no assunto e aconselhei-o a comprar o livro.
Qual não foi a minha surpresa quando ele, dias depois, me telefonou lamentando-se que o livro tinha sido retirado do mercado.
Não acreditei !... Tinha de haver um mal-entendido…
Procurei em várias livrarias e a resposta foi sempre a mesma: “ Não temos e não conseguimos encomendá-lo ! ? … Por muito que tentasse não conseguia outra resposta.
A minha curiosidade ficou ainda mais aguçada e recorri a um livreiro meu amigo que me confidenciou que a editora tinha mandado recolher o livro “a pedido” de uma entidade ligada ao Governo. Tinha recebido grande quantidade de encomendas que não pôde satisfazer, para seu desgosto, pois o livro estava a ser um sucesso com três edições no espaço de dois meses.
Caiu-me o céu em cima !...
Como é possível uma coisa destas num país que se diz democrático ? ; numa Europa que se diz democrática ?
No meio da minha indignação lembrei-me do que tinha lido no livro de Daniel Estulin.
Será que tudo aquilo é verdade ?
Decidi, então, fazer a recolha da maior quantidade de elementos que pudesse encontrar e partilhá-los com os leitores do meu blogue, o que farei daqui em diante.

(Transcrito do blogue
ROSA DOS VENTOS http://rosadosventos1.blogspot.com/ )

-" CLAUSURA "



Sou um quarto fechado
com fotografias nas paredes
e espessas cortinas sobre os olhos
macio carpete de sofrimentos
para o andar descalço

Tranquei as portas deste corpo

Posso te ouvir bater
não me abro
Porque quero que me cerques
por todas as janelas e portas
impossíveis

Se conseguires entrar
ilumine os corredores
que tenho percorrido
tentando encontrar
a mim mesma

Deito na cama fria
das entranhas
e não durmo

Tua voz é o som da noite.

Texto de Adriana Costa especialmente para o blogue Rosa dos Ventos.Imagem: Praia do Murubira, Ilha de Mosqueiro, Pará, por Adriana Costa.

terça-feira, 7 de abril de 2009

-" Estarão todos a ficar malucos ?... "

Uma reflexão muito rápida e sem comentários, porque os deixo ao critério e à sanidade mental dos leitores.
Pergunto-me: o que se estará a passar ?!...
-Responsáveis da igreja católica condenam o uso do preservativo e o Pápa, num continente onde se morre em massa por causa do HIV, declara que o uso do preservativo pode contribuir para a propagação da SIDA !...
-Gente considerada responsável, desde jornalistas a professores universitários ( o que é mais preocupante porque nos leva a recear pelos nossos filhos ) afirma que o Holocausto nunca existiu !...
-O Primeiro-Ministro checo aproveita o mediatismo da presença de Obama e afirma que o aquecimento global é ficção !...

Será que anda por aí uma bactéria a alimentar-se da massa cinzenta de personalidades ?...



domingo, 5 de abril de 2009

-"Enriquecimento ilícito ?"

O enriquecimento ilícito, em Portugal, não é crime.
Se o enriquecimento ilícito não é crime, então o que é ?... Então, é permitido !...Se é permitido, não é crime !...
Então porque razão andam a perseguir e a condenar os prestimosos presidentes de câmaras e quejandos que tiveram o mérito de saber enriquecer ?...
Mesmo que tenha sido não contra a Lei mas contra a Moral, foi com o beneplácito dos governantes e da maioria, se não da totalidade, dos políticos.
Mas se enriqueceram com o beneplácito dos governantes e dos deputados porque razão os hão de condenar ?
Se enriqueceram roubando, então já é crime !...
Se enriqueceram através da corrupção, então já é crime !...
Se é crime, então é ilícito !

Então, o enriquecimento ilícito é crime ou não é ?

E aqui está criada uma “pescadinha-de-rabo-na-boca” !....

Agora, alguns políticos querem criminalizar o enriquecimento ilícito; outros, não querem !...
É claro que os que não querem, irão alegar que é anticonstitucional.
Mas será anticonstitucional a punição de um crime ?
É um assunto muito delicado e o melhor é não mexer na galinha.

Não será que aqui está em causa um erro de português ?...
Será que queriam dizer “enriquecimento injustificado” e o estado a que chegou o ensino em Portugal também não poupou os políticos ?!
Se o enriquecimento for justificado, então não há crime.
Se não conseguirem justificá-lo, então é porque houve crime.

Vamos aguardar e ver no que é que eles ficam.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Lusofonia

Texto de Adriana Costa


«Gosto de sentir minha língua roçar a língua de Luís de Camões» (Caetano Veloso)

Palavras tuas, ou minhas.
Por naus ou jangadas levadas
Disseminam uma nova pátria
Menos tua menos minha, universal.

Gramática perfeita para sentimentos
Latinos, lusitanos ou africanos.
A bacanal de palavras portuguesas
Atravessa mares com apelo sensual.

Em Agostinho da Silva a lição
A crítica apaixonada de Gilberto Freyre
Sobre a cultura em si una e plural.

Diversos sabores de uma mesma língua
Como correntes marítimas a ligar o mesmo mar
Une-nos a língua a Portugal.

Poema publicado nos blogues:
"Versos Bárbaros" ( http://versosbarbaros.blogspot.com/ )
"Rosa dos Ventos" ( http://rosadosventosnorton.blogspot.com/ )
"Nova Águia" ( http://novaaguia.bolgspot.com/ ) e
"Bar do Ossian"


quinta-feira, 2 de abril de 2009

-"O pragmatismo de D.João II perante a contribuição para o povoamente dada pelo Abade de Trancoso"

Para quem não a conhece aqui fica a estória:

Até há pouco tempo, não havia qualquer indicação de um documento que atestasse a veracidade da agitada e profícua vida amorosa do Padre Francisco da Costa, prior da localidade de Trancoso.Sendo verdade ou não, atribuíam-lhe o feito, que hoje constaria do “Guiness”se existisse nessa altura, de ter feito sexo com 54 mulheres, tendo concebido 299 filhos.
Perante isso, e achando que a vida do abade era um atentado aos bons costumes, os bons vizinhos de Trancoso recorreram à Justiça e o profícuo abade foi levado a Tribunal.

Segundo consta, foi a seguinte a sentença proferida contra ele:
"Padre Francisco da Costa, prior de Trancoso, de idade de sessenta e dois anos, será degredado de suas ordens e arrastado pelas ruas públicas nos rabos dos cavalos, esquartejado o seu corpo e postos os quartos, cabeça e mãos em diferentes distritos, pelo crime que foi arguido e que ele mesmo não contrariou, sendo acusado de ter dormido com
-vinte e nove afilhadas e tendo delas noventa e sete filhas e trinta e sete filhos;
-de cinco irmãs teve dezoito filhas;
-de nove comadres trinta e oito filhos e dezoito filhas;
-de sete amas teve vinte e nove filhos e cinco filhas;
-de duas escravas teve vinte e um filhos e sete filhas;
-de uma tia, chamada Ana da Cunha, teve três filhas,
-da própria mãe teve dois filhos
.

Totais: duzentos e noventa e nove filhos, sendo duzentos e catorze do sexo feminino e oitenta e cinco do sexo masculino, tendo concebido em cinquenta e quatro mulheres".

Tendo chegado o caso ao conhecimento do rei D.João II, este, pragmático e inteligente como era, comutou-lhe a pena ….“ e o mandou pôr em liberdade aos dezassete dias do mês de Março de 1487, com o fundamento de ajudar a povoar aquela região da Beira Alta, tão despovoada ao tempo” ... e mandou arquivar os autos.

Como se disse acima, até há pouco tempo não se tinha encontrado nada que confirmasse a estória. Agora, porém, chegou-me a notícia de que os autos se encontram arquivados na Torre do Tombo, Armário 5, Maço7. Infelizmente, encontro-me demasiado longe para poder fazer uma visita à Torre do Tombo, mas se houver alguém que sinta curiosidade pelo assunto seria muito interessante se o pudesse confirmar e me o comunicasse para o endereço
http://osirislux@gmail.com .

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

« UMA VERGONHA... »


Chegou-me às mãos, com pedido de publicação, o texto do Coronel Vitor Santos que abaixo transcrevo e com o qual estou, completamente, de acordo. A maior vergonha para um povo é a ingratidão para com os que por ele se sacrificaram. Leiam, meditem e olhem para o espelho...

"Especialistas ingleses e norte-americanos estudaram comparativamente o esforço das nações envolvidas em vários conflitos em simultâneo, principalmente no que respeita à gestão desses mesmos conflitos , nos campos da logistica-geral , do pessoal , das economias que as suportam e dos resultados obtidos.Assim , chegaram à conclusão que em todo o Mundo só havia dois países que mantiveram trêsTeatros de Operações em simultâneo; a poderosa Grã-Bretanha, com frentes na Malásia ( a 9.300 Kms de 1948 a 1960 ); no Quénia ( a 5.700 Kms de 1952 a 1956 ) , e em Chipre ( a 3.000 Kms de 1954 a 1959 ), e o pequenino Portugal, com frentes na Guiné ( a 3.400 Kms ), Angola ( a 7.300 Kms ) e Moçambique ( a 10.300 Kms ) de 1961 a 1974 ( 13 anos seguidos ).Estes especialistas chegaram à conclusão que Portugal, dadas as premissas económicas, as dificuldades logísticas para abastecer as 3 frentes , bem como a sua distância , a vastidão dos territórios em causa e a enormidade das suas fronteiras, foi aquele que melhores resultados obteve.
...Em todo o Mundo civilizado, e não só em países ricos, cidadãos protagonistas dos grandes conflitos e catástrofes com eles relacionados, vencedores ou vencidos, receberam e recebem por parte dos seus Governos , tratamentos diferenciados do comum dos cidadãos , sobretudo nos capítulos sociais da assistência na doença, na educação, na velhice e na morte.
EM TODO O MUNDO MENOS EM PORTUGAL...
.........................................................................................................................................................................................
..........................................................................................................................................................................
Texto completo, altamente recomendável, em
http://rosadosventosnorton.blogspot.com/

sábado, 21 de fevereiro de 2009

« OS PORTUGUESES E OS MONSTROS »

Ontem passou-me pelas mãos a reflexão que Eduardo Prado Coelho escreveu no jornal "O Público" sobre os portugueses, pouco antes de morrer.
Por considerar a sua leitura de grande utilidade, quanto mais não seja, como exercício mental, decidi publicá-la no meu blogue
Embora não concordando, inteiramente, com ele, ao relê-la lembrei-me da máxima popular que diz que “cada um tem aquilo que merece” e fui levado a interrogar-me se a criação de monstros não será uma fatalidade dos portugueses.
De facto, no decorrer dos mais de 900 anos da sua história, os portugueses mantiveram algumas características ao longo de todo esse tempo.
De todas, há uma que se destaca: a capacidade que os portugueses têm de criarem “monstros” que os devoram.
Após o “ 28 de Maio “ criaram o “monstro” do fascismo; após o “ 25 de Abril” criaram o “monstro” do facilitismo; após a entrada para a Europa, como bons alunos, copiaram e institucionalizaram o mais voraz de todos: o politico profissional.
Aquele “monstro” que os devora legislando para defender interesses pessoais ou do seu grupo; criando, para si, condições de que mais nenhum outro grupo beneficia:
acumulação de cargos;
cartão de crédito dourado sem limite de despesas;
contratos com indemnizações chorudas;
direito a ficar com os carros que o Estado pagou;
avenças anafadas;
reformas escandalosas; etc.,etc…

Depois de pensarem nisto tudo, será que os portugueses ainda serão capazes de olhar para o espelho ?...
Será que o Eduardo Prado Coelho tinha razão ?!...

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

« PARA CHORAR DE VERGONHA »

Eduardo Prado Coelho, antes de falecer (25/08/2007), teve a lucidez de deixar aos portugueses a reflexão que se segue. Por isso, façam uma leitura atenta e ponham a mão na consciência.

Precisa-se de matéria-prima para construir um País

A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres.
Agora dizemos que Sócrates não serve. E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada. Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates.
O problema está em nós. Nós como povo. Nós como matéria-prima de um país.
Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda sempre valorizada, tanto ou mais do que o euro. Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos demais.
Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos passeios onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.
Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras particulares dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa, como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos ....e para eles mesmos.
Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo; onde se frauda a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.
Pertenço a um país:
-Onde a falta de pontualidade é um hábito;
-Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano.
-Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e, depois,reclamam
do governo por não limpar os esgotos.
-Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros.
-Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem que é 'muito chato ter que
ler') e não há consciência nem memória política, histórica nem económica.
-Onde os nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar projectos e leis que só
servem para caçar os pobres, arreliar a classe média e beneficiar alguns.
Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas podem ser 'compradas', sem se fazer qualquer exame.
- Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou
um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme
para não lhe dar o lugar.
- Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o peão.
- Um país onde fazemos muitas coisas erradas, mas estamos sempre a criticar os nossos
governantes.
Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um guarda de trânsito para não ser multado.
Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como português, apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.
Não. Não. Não. Já basta.
Como matéria-prima de um país, temos muitas coisas boas, mas falta muito para sermos os homens e as mulheres que o nosso país precisa.
Esses defeitos, essa 'CHICO-ESPERTERTICE PORTUGUESA' congénita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até se converter em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é real e honestamente má,porque todos eles são portugueses como nós,ELEITOS POR NÓS.
Nascidos aqui, não noutra parte...
Fico triste. Porque, ainda que Sócrates se fosse embora hoje, o próximo que o suceder terá que continuar a trabalhar com a mesma matéria-prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos.
E não poderá fazer nada...
Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.
Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco, nem serve Sócrates e nem servirá o que vier.
Qual é a alternativa?
Precisamos de mais um ditador,para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror?
Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa 'outra coisa' não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados....igualmente abusados!
É muito bom ser português. Mas quando essa portugalidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, então tudo muda...
Não esperemos acender uma vela a todos os santos, a ver se nos mandam um messias.
Nós temos que mudar. Um novo governante com os mesmos portugueses nada poderá fazer.
Está muito claro... Somos nós que temos que mudar.
Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a acontecer-nos: desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e, francamente, somos tolerantes com o fracasso. É a indústria da desculpa e da estupidez.
Agora, depois desta mensagem, francamente, decidi procurar o responsável, não para o castigar, mas para lhe exigir (sim, exigir) que melhore o seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido.
Sim, decidi procurar o responsável e
ESTOU SEGURO DE QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO.
AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO NOUTRO LADO.
E você, o que pensa?.... *MEDITE*!

Eduardo Prado Coelho, in "Público"

sábado, 14 de fevereiro de 2009

« DESAFINADO »


Faz agora 50 anos que João Gilberto e Tom Jobim criaram o seu "Desafinado", que foi o passaporte para a internacionalização da "Bossa-Nova". Primorosa composição que de desafinado nada tinha a não ser o que os seus compositores queriam que parecesse desafinar.
Como a Literatura, a Música é, também, um precioso elemento de ligação e um priveligiado meio de unir os povos duma mesma Língua.
Mesmo que a CPLP os esqueça e por muito singela que seja esta homenagem a estes dois grandes compositores da lusofonia, eu, pelo menos, fico com a grande alegria de não os ter esquecido.

Fonte: http://rosadosventosnorton.blogspot.com/

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

« HISTÓRIA DE CASAS-DE-BANHO »


Sofisticadas, originais ou clássicas, todas as casas de banho têm uma coisa em comum: são o último reduto da privacidade.
A sua história é fascinante.As casas de banho percorreram um longo caminho até serem conhecidas como são hoje.
Ir à "casinha", "ali dentro", ao WC ou à casa de banho é, também, um eufemismo para designar o que é hoje o mais privado dos actos. Algo que, mais do que privado, foi outrora camuflado.
Como tudo o que é humano, também aqui há uma longa história.Quem visitar o Museu dos Coches deve prestar uma atenção especial à carruagem de D. Filipe II: não só por ser a mais antiga da colecção (século XVII) mas também devido a um pormenor: sob o assento um buraco abre directamente para o chão. Este permitia ao rei aliviar-se durante as suas viagens longas e fastidiosas pelas estradas poeirentas ou lamacentas da época.
A primeira banheira antes de Cristo
Este é só um episódio da velha e complicada relação entre uma das mais básicas necessidades do corpo humano e a civilização. Temos de recuar, pelo menos, a vestígios do vale do Indo datados de 3000 anos antes de Cristo ou ao mítico palácio de Cnossos, na Ilha de Creta, mais de um milénio anterior à era cristã - e que inclui a mais antiga banheira conhecida - para percebermos que os nossos antepassados começaram a preocupar-se muito cedo em criar condições próprias para satisfazer as suas necessidades fisiológicas. Aliás, os vestígios de instalações sanitárias encontrados nestes dois locais fariam inveja ao século XIX.
Mas avancemos e fiquemo-nos pelo Império Romano.
Tal como os gregos, os romanos também tinham latrinas públicas e privadas, em grande quantidade, e era proibido fazer despejos na via pública. As latrinas colectivas ligam-se ao esgoto urbano e têm cerca de vinte lugares. Cada um deles possui muretes de cerca de 80 centímetros que serviam para apoiar os braços e separavam o utilizador do seu vizinho - não se pode dizer que a privacidade fosse grande, pelo menos para os nossos critérios.O sistema de escoamento das águas era sofisticado e permitia que estas instalações se mantivessem razoavelmente limpas. E - coincidência incrível -, tal como hoje, estas eram os alvos preferenciais dos autores de "graffiti". Claro, nas inscrições a giz e a carvão encontradas, não consta terem sido descobertas frases como "Luís love Joana", "Abaixo os profes" ou "És parvo"...
Sistema do "água vai"
Chegada a Idade Média, vão desaparecendo os antigos aquedutos e redes de esgotos.
O calcetamento das ruas e a captação das águas são um problema sério. De Edimburgo a Lisboa, passando por Paris ou Londres, o sistema do "água vai!" causa toda a espécie de cenas, sobretudo se quem passa não for rápido o suficiente ou se quem entorna o bacio se esquece de avisar da descarga. As ruas das cidades enchem-se de imundícies, entre dejectos humanos, animais, lama ou restos de cozinha. As latrinas públicas diminuem muito e há instalações nas casas senhoriais e nos conventos.Nos castelos são escavadas em pedra - no Paço de Guimarães quer no Palácio Real de Sintra são construídas "privadas". De resto, as latrinas particulares são muito raras e precárias: fossas a céu aberto. E até ao século XX, em muitos países europeus, ainda anda uma carroça pela manhã, com o respectivo pregão a anunciar a sua passagem, para que as criadas de quarto deixem os bacios na rua.
O século XVII
é rico em histórias sobre os hábitos de higiene (ou falta dela) nas grandes cortes europeias, mas há exageros. O palácio de Versalhes tem pelo menos uma centena de casas de banho (assim chamadas, devido às banheiras). Nesta época abundam as sanitas disfarçadas de cadeiras. No palácio de Luís XIV um inventário real regista 264 destes "meubles odorants". E na mesma época em que Filipe II de Portugal se passeia no seu coche com uma abertura sob o assento, o Rei-Sol usa a sua retrete pessoal como um trono: ali dá audiências, recebe embaixadores, faz anúncios. Só que as sanitas vão sendo cada vez mais disfarçadas.Um modelo muito popular em França será o "Voyage aux Pays Bas", título de diversos volumes de uma obra que escondia a função verdadeira do móvel. E a função do corpo humano que se tornará a mais privada de todas.
Só no século XIX
é que a higiene sanitária chegue aos moldes que hoje conhecemos. Em Inglaterra inventam-se modelos com dispositivos sofisticados, as "water closets" - WC - feitas em porcelana e ligadas ao esgoto geral. Tal como na antiga Roma. Apesar de tudo, mais sofisticado.
E a casa de banho de hoje é um lugar cada vez mais asséptico. Cujo conforto e grau de sofisticação, em restaurantes ou discotecas, é sinal de prestígio.
Diz-me que casa de banho tens, dir-te-ei quem és...

Nair Alexandre (texto) José ventura e Reis Duarte Silva (fotos)Texto publicado na edição do Expresso de dia 3 de Janeiro de 2009.